Z-SEP

Teste de Zulliger no sistema Escola de Paris

Marcelo A. Resende; Elizabeth do Nascimento
Ocultar subprodutos

 

 

Material restrito à psicólogos

 

Descrição:

O Teste Zulliger é um instrumento inspirado no Rorschach. A avaliação ocorre diante da apresentação de estímulos não estruturados (sem forma definida, imagem ambígua), o indivíduo usa os próprios recursos subjetivos e sua própria dinâmica para perceber a figura e dar significado a ela.

O seu objetivo é avaliar características da personalidade, processos afetivos e cognitivos, adaptação social, adequação à realidade, saúde mental e presença de psicopatologias. O Sistema Escola de Paris tem por base os processos associativo-perceptivos do examinando, enfatizando as análises qualitativas, voltadas para uma visão mais psicodinâmica do indivíduo. 

De acordo com Pasian (2000), a Escola francesa possibilita interpretações psicodinâmicas bastante enriquecedoras do teste e tem como referenciais tanto a teoria fenomenológica quanto a psicanalítica. Nesse sentido, buscou-se uma forma de análise e de interpretação especificamente clínica, mais qualitativa, individual e singular, permitindo uma melhor escuta do paciente (Chagnon, 2014).

  

Público Alvo

O instrumento é destinado a adultos de 18 anos até 92 anos de idade.

 

Contexto

Avaliação clínica, concessão de Carteira Nacional de Habilitação (CNH) ou de porte de arma de fogo, processo seletivo, perícia, orientação profissional, entre outros.

 

Aplicação

A aplicação é individual, seguindo as instruções conti­das no manual do teste. Sua duração costuma ser entre 30 minutos e 2 horas e deve ser administrada em um ambiente devidamente adequado.

Para a aplicação, são indispensáveis os seguintes materiais:

  • Conjunto de três cartões: originais e devendo estar em boas condições de uso, ou seja, sem arranhões, rabiscos ou sujeiras.
  • Protocolo de aplicação: para anotação dos dados de identificação, das respostas aos cartões, dos inquéri­tos das respostas, além das seleções dos cartões (pre­ferido e preterido), fechamento e tabelas do psicograma para codificação.
  • Folha de localização: padronizada, colorida, para a localização das respostas identificadas nos cartões.
  • Caixa de lápis de cor (12 cores diferentes): para a lo­calização das respostas dadas, sendo que cada locali­zação no mesmo cartão deve ser feita com uma cor diferente para não haver dúvidas na identificação das marcações.
  • Cronômetro: de preferência silencioso.

 

O Dr. Marcelo Resende comenta sobre o Z-SEP:

 

Normatização

O estudo contou com uma amostra por conveniência de 650 adultos da região metropolitana de Belo Horizonte. Para melhor distribuição da amostra, foram estabeleci­das seis faixas etárias: de 18 a 29 anos, de 30 a 39 anos, de 40 a 49 anos, de 50 a 59 anos, de 60 a 69 anos, e de 70 a mais de 70 anos de idade. Quanto à variável esco­laridade, os seguintes níveis foram considerados: sem instrução, fundamental, médio e superior.

 

Autores:

 

Marcelo Augusto Resende

Psicólogo, formação em psicanálise pelo Instituto de Estudos Psicanalítico - IEPSI (1993), pós-graduação em Perícia Técnico-Consultiva do Judiciário pela Fundação Mineira de Educação e Cultura - FUMEC (1998), mestrado em Psicologia pela Universidade Federal de Minas Gerais (2004) e doutorado em Psicologia do Desenvolvimento pela Universidade Federal de Minas Gerais (2016). Exerceu o posto de oficial de saúde - psicólogo - no Centro de Recrutamento e Seleção (CRS), na Junta Central de Saúde (JCS) e na Clínica de Psicologia do Hospital Militar da PMMG. É professor adjunto IV da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais desde 2003 e coordenador do curso de pós-graduação em Avaliação e Diagnóstico Psicológico, oferecido pelo IEC/PUC MINAS, desde 2008.

 

Elizabeth do Nascimento

Possui graduação em Psicologia pela Universidade Federal de Minas Gerais (1987), mestrado em Psicologia pela Universidade Federal de Minas Gerais (1993) e doutorado em Psicologia pela Universidade de Brasília (2000). Professora associada da Universidade Federal de Minas Gerais. Tem experiência na área de Psicologia, com ênfase em Construção e Validade de Testes, Escalas e Outras Medidas Psicológicas, atuando principalmente nos seguintes temas: inteligência, personalidade, WAIS-III, psicometria, avaliação psicológica, envelhecimento. Recentemente tem se dedicado a temas em saúde ocupacional.