R-PAS

Sistema de Avaliação por Performance no Rorschach

Gregory J. Meyer; Donald J. Viglione; Joni L. Mihura; Robert E. Erard; Philip Erdberg
Ocultar subprodutos

   

 

Material restrito à psicólogos

 

Descrição:

O sistema baseia-se nas evidências do Teste Rorschach, ampliando sua utilidade, melhorando a base normativa e integrando novos estudos internacionais. Apresenta um sistema simplificado e uniforme de terminologia, símbolos, cálculos e apresentação de dados. 

O Sistema de Avaliação por Performance no Rorschach® (R-PAS), foi desenvolvido em uma perspectiva centrada nas evidências, internacionalmente orientada, para usar o teste das manchas de tinta com base na pesquisa mais recente dis­ponível. O rigor conceitual e empírico é especialmente requerido dentro dos ambientes de cuidados de saúde e acadêmicos, que se baseiam cada vez mais nas evidências. O sistema procura extrair vantagem do potencial único do Rorschach como tarefa comportamental complexa, altamente portátil, que proporciona um meio de sistematicamente observar e medir a personalidade em ação.

 

Público Alvo

Qualquer faixa etária, desde que o indivíduo tenha condições de se expressar verbalmente e tenha suficiente acuidade visual. 

 

Contexto

Clínico, Organizacional, Jurídico e Concursos Públicos.

 

Aplicação

A aplicação do Rorschach permite ao examinador observar o desempenho comportamen­tal do avaliando na solução de problemas visuais, cognitivos e perceptivos exigentes, ou o que é designado como “personalidade em ação”. O avaliando articula as soluções à tarefa “O que poderia ser isto?”, ao longo de uma série de dez estímulos de manchas de tinta se­miambíguas, mas evocativas. Esse tipo de informação comportamental padronizada não se encontra prontamente disponível por meio de métodos de avaliação da personalidade por autorrelato ou por relato do observador.

A aplicação adequada e o registo são cruciais para esse esforço, para que não só os aspectos quantitativos, mas também os qualitativos do de­sempenho do avaliando sejam apreendidos com precisão e a mínima influência do exami­nador.

Durante toda a aplicação, o examinador deve estar alerta para assegurar-se de que a comu­nicação e o comportamento do avaliando, verbal e não-verbal, estejam sendo cuidadosamen­te observados e registrados, para que a codificação e a interpretação subsequentes sejam válidas.

 

Por que utilizar o R-PAS?

Confira nesse vídeo, a Prof. Dra Ana Cristina Resende comentando sobre este teste. 

 

Processo de tradução e adaptação brasileira

A tradução do presente manual foi executada por pesquisadores com conhecimento prévio da técnica e treinamento no sistema R-PAS, sendo um de Portugal e outro do Brasil. Para a tradução e adaptação dos termos para a língua portuguesa, os tradutores contaram com instruções dos autores do sistema que enfatizaram a relevância de manter as palavras traduzidas o mais próximo ao original possível, de maneira a não comprometer a padronização da tarefa e os procedimentos de correção. Tal solicitação visa a facilitação do intercâmbio entre pesquisadores e utilizadores do R-PAS de variados idiomas.

 

 

Correção Informatizada:

O teste fornece um programa de codificação, o qual pode ser acessado a partir de qualquer aparelho conectado a internet (p. ex., PC, notebook, smartphone, iPad). 

Link: r-pas.org

 

 

 Depoimento
 
"Alguns especialistas estimam que, em todo o domínio da psicologia, nenhuma outra criação única tem sido objeto de um número tão elevado de trabalhos científicos. É também provável que nenhum outro teste psicológico fora administrado a mais de milhões de pessoas em todo o mundo. Bastante recomendado para o contexto clínico e forense".
 
Raimundo das Chagas Neto - Psicólogo
 
 
 
Autores
 
 
Gregory J. Meyer

Professor de Psicologia na Universidade de Toledo. Sua pesquisa tem como foco a avaliação psicológica, com ênfase na integração de métodos de avaliação. Ganhou pela 4ª vez o prêmio Walter G. Klopfer por contribuição significativa para a literatura da Sociedade de Avaliação de Personalidade (SPA). Também ganhou o prêmio por sua contribuição significativa para Avaliação Psicológica da Seção IX da Sociedade de Psicologia Clínica, Divisão 12 da Associação Americana de Psicologia (APA). É membro da Divisão 5 (Métodos quantitativos e qualitativos) da APA, assim como da SPA. Com mais de 75 publicações, já foi editor do Journal of Personality Assessment

 

Donald J. Viglione

Professor da Universidade Internacional Alliant, em San Diego, Califórnia. Foi diretor do Programa de doutorado em Psicologia Clínica, entre 2003 e 2007. Ministra cursos em avaliação de personalidade baseada em performance, assim como avaliação forense, avaliação intelectual e objetiva, psicopatologia, avaliação de vítimas de abuso sexual, avaliação infantil e terapia. 

 

Joni L. Mihura

Professora de Psicologia na Universidade de Toledo, onde ensina avaliação de personalidade, avaliação avançada e psicoterapia integrativa/psicodinâmica. Recebeu diversos prêmios da Associação Americana Psicoanalítica e da Sociedade para Avaliação de Personalidade (SPA), assim como o prêmio Walter G. Klopfer por sua contribuição significativa para a literatura da SPA. Trabalha também junto à equipe editorial do Journal of Personality Assessment e Rorschachiana. É co-editora do Handbook of Gender and Sexuality in Psychological Assessment. 

 

Robert E. Erard

Psicólogo clínico e forense. Diretor Clínico do Instituto Psicológico de Michigan. Membro da Sociedade para Avaliação de Personalidade desde 2006. Recebeu em 1996 o prêmio Karl F. Heiser Presidential para Advocacia em Psicologia da Sociedade Americana de Psicologia. Ganhou também o prêmio Michigan Distinguished Psychologist em 1994. Foi membro da Associação Psicológica de Michigan até 1992. Hoje, é presidente da Sociedade para Avaliação de Personalidade (SPA). 

 

Philip Erdberg

Diplomata em psicologia clínica da Equipe Americana da Psicologia Profissional e especialista reconhecido internacionalmente em avaliação de transtornos de personalidade. Foi presidente da Sociedade para Avaliação de Personalidade e, em 1995, ganhou o prêmio da sociedade por contribuição significativa. Em 2001, ganhou o prêmio William T. Rossiter da Associação de Saúde Mental Forense da Califórnia. Trabalha como consultor clínico e pesquisador no contexto terapêutico, educacional e áreas correlatas.