EVIPI

Escala de Violência entre Parceiros Íntimos

Lélio M. Lourenço; Makilim N. Baptista
Ocultar subprodutos

 

Material não restrito à psicólogos

 

Descrição

A violência entre parceiros íntimos configura-se atualmente como um dos principais problemas de saúde pública, causando sérias consequências aos envolvidos. Os prejuízos físicos, sexuais e psicológicos impactam gravemente a qualidade de vida e a saúde das vítimas e pessoas próximas. O estudo deste fenômeno tem gerado crescente interesse na comunidade científica.

A Escala de Violência entre Parceiros Íntimos (EVIPI) oferece suporte para rastrear, identificar e avaliar as vítimas de violência entre parceiros íntimos, sobretudo no que concerne a injúria e violência física corporal; aos danos à saúde, à sexualidade e ao patrimônio; e ao controle comportamental.

Seu objetivo é instrumentalizar profissionais de qualquer contexto que lidam diretamente com a problemática da violência entre parceiros íntimos, dando subsídio para futuras intervenções de apoio e suporte às vítimas ou mesmo na prevenção dessa problemática.

 

Público-Alvo

A escala visa identificar, rastrear e avaliar a violência que ocorre entre parceiros íntimos de ambos os sexos, entre os 18 e 65 anos de idade, em relacionamento íntimo hetero ou homossexual.

 

Contexto

Clínico e Jurídico

 

Aplicação

A Escala de Violência entre Parceiros Íntimos (EVIPI) é de autorrelato e pode ser aplicada de forma individual ou coletiva, sem limite de tempo, mas em geral varia de 15 a 25 minutos.

É recomendado que a aplicação seja feita em uma única seção com ambiente propício, ou seja, com privacidade, além disso, vale ressaltar no que se refere à aplicação coletiva é importante que o grupo possua em torno de 30 a 35 pessoas a fim de evitar intercorrências que inviabilizem a aplicação tanto para o respondente quanto para o aplicador.

 

 

 

 

 

Artigos Relacionados

 

O Stalking na violência entre parceiros íntimos: a perspectiva das vítimas

Link:https://mla.bs/861c02db

 

Esquemas iniciais desadaptativos de mulheres em situação de violência perpetrada por parceiro íntimo

Link: https://mla.bs/1e712147

 

 

Autores 

 

Lélio M. Lourenço

Pós Doutor em Estudos da Criança pelo Instituto da Criança da Universidade do Minho - Braga, Portugal. Doutor em Psicologia Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1998). Possui Mestrado em Psicologia Social pela Universidade Gama Filho (1993). Atualmente é professor associado da Universidade Federal de Juiz de Fora. Membro da APICSA - Asociación Psicológica Iberoamericana de Clínica y Salud. Coordena o Núcleo de Estudos em Violência e Ansiedade Social (NEVAS) da Universidade Federal de Juiz de Fora.

 

Makilin Nunes Baptista

Mestrado em Psicologia PUC (1997) e Doutorado pelo departamento de Psiquiatria e Psicologia Médica da Universidade Federal de São Paulo (2001). Atualmente é docente do Programa de Pós-Graduação Stricto-Sensu em Psicologia da Universidade São Francisco. Tem experiência na área de Psicologia, com ênfase em Avaliação Psicológica, Tratamento e Prevenção Psicológica, atuando principalmente nos seguintes temas: depressão, suporte familiar, suicídio, adolescentes e estresse.